Raios e Trovões

Raios e trovões

Raios são simplesmente descargas elétricas, ou faíscas gigantes, que geralmente ocorrem em tempestades bem desenvolvidas.

Raios são formados quando partículas de gelo e gotículas de água colidem dentro da nuvem, em um processo que faz com que ambos se tornem eletricamente carregados. A base da nuvem acumula uma carga negativa, e o chão, em contrapartida, acumula carga positiva, pois cargas diferentes tendem a se atrair. Quando o fenômeno atinge níveis muito intensos, ocorre uma descarga elétrica entre as duas partes, que chamamos de raio.

Raios podem ocorrer dentro de uma única nuvem, entre duas nuvens, de uma nuvem para o ar ao seu redor, ou de uma nuvem para a terra diretamente abaixo dela. O raio é capaz de aquecer o ar ao seu redor a uma temperatura de fantásticos 30 000 °C, cinco vezes mais quente do que a superfície do Sol. Este aquecimento faz com que o ar expanda de maneira explosiva, gerando uma onda de som estrondoso que chamamos de Trovão.

Embora raios sejam mais comumente observados em nuvens de tempestade do tipo Cumulonimbus, eles também podem ocorrer em tempestades de neve, tempestades de areia, ou em nuvens de poeira e cinzas levantadas por vulcões em erupção, além de muito raramente ocorrerem em nuvens do tipo nimbostratus. Isto ocorre porque as partículas destes fenômenos também podem ficar eletricamente carregadas nas condições certas.

Curiosidade: Existem diferentes tipos de raios que ainda hoje são pouco compreendidos. Os chamados Jatos Azuis (Blue Jets), Raios Bola (Ball Lightnings) e Duendes Vermelhos (Red Sprites) são exemplos de fenômenos pouco documentados que ainda não possuem explicação científica.


Autor: Matheus Manente
Fonte: American Meteorological Society, cited 2014: Lightning. Glossary of Meteorology. [Available online at http://glossary.ametsoc.org/wiki/lightning]; Ahrens, C. D. Meteorology Today: An Introduction to Weather, Climate, and the Environment. Brooks/Cole Cengage Learning, Belmont, CA, 2009.

Marcações: